Descubra como evitar problemas de saúde

A atividade física traz inúmeros benefícios, mas se praticada sem orientação, equipamento e preparo adequado, corre o risco de se transformar em uma cilada.

A falta de uma orientação médica e de um profissional de educação física podem ocasionar problemas ortopédicos como distensão muscular, dores articulares agudas, lombalgias, tendinites e várias outras alterações físicas como arritmias, tonteiras e câimbras.

“Exercício é bom para todo mundo, todos deveriam praticar. Mas nunca de forma aleatória”, lembra o Dr. Júlio Lovisi, cardiologista, especialista em Medicina Esportiva e membro da equipe do Serviço de Ecocardiografia do Monte Sinai.

Em sua experiência, Lovisi verifica que é muito comum as pessoas praticarem atividades físicas quando jovens, mas depois passarem 15, 20 anos sem fazer nada. Da noite para o dia resolvem recomeçar. Compram um tênis, colocam um short e passam a correr ou caminhar.

Isso não é recomendável, enfatiza, “pois nesse período podem surgir problemas de saúde que precisam ser avaliados por um profissional. Senão, a prática de exercícios deixa de ser promoção de saúde para virar um gerador de problemas”.

Sempre que se retomar ou intensificar um plano de exercícios é preciso consultar um profissional, preferencialmente o cardiologista.

São várias as questões a se avaliar para ver se a pessoa já pode começar a prática de qualquer atividade, quais são riscos, benefícios e definir o melhor modo de fazer o esporte escolhido.

Quais exames eu devo fazer antes de começar?

Júlio Lovisi explica que o fundamental é o exame clínico.

O médico precisa conhecer a história esportiva do paciente, avaliar fatores de risco, histórico familiar, hábitos pessoais – sedentarismo, tabagismo, peso e muitos outros.

“Em geral, no Brasil seguimos a visão europeia em que pelo menos o eletrocardiograma é importante. Para saber se necessita investigação mais aprofundada, como ecocardiograma ou teste ergométrico, é a avaliação inicial que vai determinar. Esta é uma questão totalmente individual, frisa ele, pois vai considerar ainda a intensidade e o tipo de exercício que a pessoa se propõe a fazer”.

Fazer check-ups periódicos para quem faz atividades por longo tempo também é importante. Mas o intervalo entre as avaliações e os exames indispensáveis também dependem de cada caso, não é possível generalizar.

Lovisi reforça que com este foco se começa a fazer prevenção, em vez de medicina curativa.

Em geral, a pessoa não sabe se está com colesterol elevado, triglicérides, quais seus níveis de açúcar – problemas que demoram a se mostrar sintomáticos – e que só podem ser constatadas com acompanhamento médico frequente.

Agora que você já sabe todos os cuidados que deve tomar, é hora de começar a buscar mais saúde! 

Quer saber qual é o primeiro passo? Clique aqui e agende uma aula experimental gratuita na Academia Fibratech.

Por Aline Barbosa e Mirian Ferreira